do tratado da reforma da inteligência

"tudo o que acontece na vida ordinária é vão e fútil ....As coisas que mais frequentemente ocorrem na vida, estimadas como o supremo bem pelos homens, a julgar pelo que eles praticam, reduzem-se, efetivamente, a estas três, a saber, a riqueza, as honras e o prazer dos sentidos. Com estas três coisas a mente se distrai de tal maneira que muito pouco pode cogitar de qualquer outro bem. ... Assim, parecia claro que todos esses males provinham disto – que toda felicidade ou infelicidade reside numa só coisa, a saber, na qualidade do objeto ao qual nos prendemos pelo amor. De fato, nunca surgem disputas por coisas que não se ama; nem há qualquer tristeza se as perdemos; nem inveja, se outros a possuem;nenhum ódio e, para dizer tudo numa palavra, nenhuma pertubação da alma (animus). Ao contrário, tudo isso acontece quando amamos coisas que podem perecer, como são aquelas que acabamos de falar. Mas o amor das coisas eternas e infinitas nutre a alma de puro gozo, isento de qualquer tristeza..."

domingo, 11 de maio de 2008


em meio

ao rumorejo do desejo

gentes

que a gente toca

vejo

e

por ora

me fixo no perseverante percevejo

que percebo sobre a mesa lindeira

lindeira aos liames do que almejo

lindeira aos lindos olhos em que me vejo



agora só

resta saber como te amar

te amar sem te querer

e como escapar

ao destino de me comportar só

aqui

lindeiro a ti ?


2 comentários:

  1. joão pedro wapler11 de maio de 2008 21:07

    diferente dos teus últimos poemas do blog, esse está bem próximo daquele estilo poético que tu mostravas na Oficina.

    ResponderExcluir
  2. Oi Jaime,gostei muito deste teu poema."Difícil escapar do destino"...vou visitar o blog mais vezes,está muito bonito.Parabéns!!!Beijo,angela

    ResponderExcluir